• contato@eduardoaffonso.com.br

Arquivo da tag Rio de Janeiro

Direção e sentido

 

Quem tem dificuldade pra entender o dogma da santíssima trindade, em que um deus que se pretende único na verdade é três, pode se consolar com o paradoxo do metrô carioca, que consiste em uma linha só ser quatro.

Não é bem uma linha só: é uma linha e um rabicho.
Uma linha que se bifurca.
Uma linha e meia, digamos assim.
Mas que, em vez de se chamar “Linha 1” e “Meia Linha”, foram batizadas de Linhas 1 e 2.

A Linha 1 tem vinte estações, dez das quais são as mesmas da Linha 2.
Ou seja, metade da Linha 1 é Linha 2.
Já a linha 3… bem, a Linha 3 não existe.

Não dizem que há prédios que não têm o 13º andar por superstição? Pois o metrô do Rio é o único do mundo que tem uma Linha 4 sem nunca ter tido uma Linha 3.

E o que é a Linha 4? São 5 estações no final da Linha 1.

Deve ter ganho esse nome porque, depois de tanta obra e tanta grana, ficava feio dizer que estavam só espichando a Linha 1 (aquela que deveria se chamar Linha Única).

Não sei o que impediu que o Rio tivesse 41 linhas, em vez de 4 (como quer o governo do estado) ou 1,5 (como se deduz só de olhar para o mapa), O custo teria sido o mesmo, e nem estou insinuando que tenha havido algum eventual, suposto e hipotético superfaturamento nas obras.

Bastava que cada trecho entre uma estação e outra fosse considerado uma linha.
Assim, teriam sido inauguradas para as Olimpíadas as linhas 41 (entre Jardim Oceânico e São Conrado), 40 (entre São Conrado e Antero de Quental), 39 (entre Antero e Jardim de Alah) etc.

O problema de ter uma impressionante malha metroviária dessas, com 41 linhas, uma atrás da outra (em linha!), sem cruzamento algum, é que linhas de metrô costumam ser identificadas também por cores.
Além da Laranja (Linha 1), Verde (Linha 2) e Amarela (Linha 4), já estaríamos no âmbito das linhas Fúcsia, Rosa Chá, Azul da Prússia, Verde Musgo, Acaju e, quem sabe? até Incolor (a inexistente Linha 3).

Mas nem só de metrô vive o transporte público carioca.

Tem também o berritê, cujo nome deve vir do Francês “abarrotê” (que significa “entupido de gente”).
Este vem em dois modelos: o expresso (que não para onde você precisa) e o parador (que para onde você não precisa).

Completando a santíssima trindade do trânsito, existe o velitê (Veículo Lento sobre Trilhos), um bondinho que se arrasta mais devagar que a reforma política, e é um equivalente carioca às charretes de Paquetá e aos pedalinhos de Poços de Caldas.
É ideal para dar uma voltinha quando você não tem nada pra fazer e não quer ir a lugar nenhum.

(Agradeço ao Detran – que cassou minha carteira de motorista por causa de uma ligeira porém persistente incompatibilidade entre a minha velocidade ideal e a desejada pelos pardais – a oportunidade de ter conhecido o sistema de transporte público do Rio de Janeiro.

A carteira foi recuperada ontem, sã e salva, antes mesmo de me ter sido concedida a graça de conhecer o ramal de Saracuruna, dos trens da SuperVia. Fica pra próxima!).

Amanhã

 

Não é de hoje que quero ir lá, mas sempre havia filas imensas.

Esta tarde, fui à Praça Mauá para uma tal de V Festa de Ogum, uma roubada que iria começar ao meio dia e às quatro da tarde ainda não havia dado sinal de vida.

Para matar o tempo, aproveitei e fui conhecer o museu – que não é bem um museu, mas um espaço multimídia, com muita cenografia, muitos efeitos, muita criança correndo e berrando diante da passividade bovina dos pais.

Há uma bela projeção 360 graus sobre nós e o universo, antecedida por uma explicação de que aquilo não tem conotação religiosa, que é só poética (hereticamente, a projeção dá a entender que o universo surgiu num Big Bang, que a vida evoluiu a partir de formas primitivas, que não somos a razão de ser do Universo, etc – ou seja, motivo de anátema).

Previsivelmente, o prédio já tem os vidros imundos, muitos quebrados, banheiros interditados, parte do globo que gira no átrio já está queimada etc.

O amanhã já começa a ser ruína.

 

Só pra saber…

 

Algumas perguntas (retóricas) que não querem calar

1.
Quem cuidava dos filhos da Adriana Ancelmo quando ela estava em Paris? Quando ia ali na esquina comprar uns diamantes?

Como os filhos vão namorar, combinar uma ida ao cinema, atualizar o instagrã, pedir uma pizza – sem telefone ou internet em casa?
Como vão vão fazer o dever de casa sem o Google?

Será que ela pensou neles quando optou pela senda do crime?

Quem vai ficar na porta recolhendo os celulares de quem entra?
Se entra celular em Bangu e Pedrinhas, como não vai entrar no Leblon?

Todas as outras presas com o mesmo direito foram libertadas?
Quando o caçula fizer 12 anos, ela volta pra prisão?

2.
Quem vai julgar as contas do Estado do Rio, com 70% dos juízes do TCE na cadeia?

3.
Quando Trump vai revogar a lei que aboliu a escravidão nos EUA?

4.
Que chances de classificação teria o Brasil se Dunga ainda fosse o técnico da seleção?

Que chances de recuperação teria o Brasil se Dilma ainda estivesse no poder?

5.
Quando uma bactéria se espalha, é correto dizer que viralizou?

Bola de cristal

 

O Carnaval de 2027 foi inesquecível, principalmente para quem sobreviveu a ele.

A presidente Michelle Obama, em seu segundo mandato, perdeu a paciência com a vice, Meryl Streep, a quem acusou publicamente de ser uma mulher de duzentas caras, e queixou-se de nunca saber quando ela estava atuando ou sendo ela mesma – sem contar as vezes em que aparecia, irreconhecível, e era barrada pela segurança. A CIA se encarregaria, pouco depois, de divulgar que Meryl Streep jamais existiu: era apenas um personagem interpretado por uma tal de Mary Louise, de quem nunca se tinha ouvido falar.

O fim do feicebuque mergulhara o mundo no caos. As pessoas tiveram que se adaptar, de uma hora para outra, a novas funcionalidades, como, por exemplo, falar cara a cara, em vez de digitar, inclusive mostrando o próprio rosto, em lugar de postar uma nova selfie. Descobriu-se que todos eram muito mais velhos do que se pensava, que todas as mulheres eram mais gordas e pouquíssimos eram tão felizes e divertidos quanto se faziam crer. Houve um boom de desilusões amorosas, que rendeu fortunas aos psiquiatras e escritores de autoajuda, e prejuízo monumental aos provedores de internet e fabricantes de pau de selfie.

O presidente Dória enfrentou a OAB e mandou cobrir de branco os grafites de Romero Britto nas cúpulas do Congresso e trocar a cúpula do Iphan, que havia autorizado a instalação de uma base giratória sob o Cristo Redentor, de modo que ele passasse a olhar, em sistema de rodízio, para a cidade toda, não só para a Zona Sul. Foi duramente criticado pelos dois únicos petistas remanescentes, o Rui Falcão e a Tássia Camargo, mas ninguém ficou sabendo.

Lula teve, mais uma vez, negado o seu pedido para cumprir em prisão domiciliar o restante da pena de 120 anos e seis meses – em especial pelo fato de querer cumpri-la no tríplex do Guarujá, que ele ainda negava ser seu. Uma segunda tentativa, para fazê-lo no sítio de Atibaia seria igualmente indeferida pelo Presidente do Supremo, Ministro Renan Calheiros – que, entretanto, permitiu visitas íntimas de Eduardo Cunha a Dilma Rousseff, e vice versa.

A foto de Susana Vieira, de biquíni, na capa de Caras, comprovava que ela já havia superado a separação do seu décimo oitavo marido. Declarava-se feliz, pronta para um novo amor e desmentia o boato de que tivesse sido flagrada num camarote aos beijos com o filho caçula da Bruna Marquezine.

Nos blocos de Carnaval do Rio, foliões desfilavam mais uma vez com faixas de dizeres enigmáticos, cujo significado se perdera nas brumas do tempo. Além de “Celacanto provoca maremoto” e “Yolhesman crisbeles”, permanecia o mistério: que diabos queria dizer, em pleno 2027, “Fora Temer”?

Retratos da folia 2

 

Folia 06

Cordão da Bola Preta
25 de fevereiro de 2017

Rio second

 

Rio Second

Dear Mr. President,

We totally agree it’s America first.
Totally agree.
But Rio de Janeiro has to be second.
Rio second.

People mistake Rio with State of Rio.
Wrong!
Rio is part of State of Rio, but not State of Rio.
State of Rio is different thing.
Totally different.

Rio de Janeiro has Sugar Loaf, Copacabana Beach, girl from Ipanema.
Beautiful.
It also had Maracanã stadium, Boate Help and Sérgio Cabral.
No more.
So sad.

State of Rio has Maricá, Cachoeiras de Macacu, Little Kid and Little Rose Little Kid.
Total disaster.

You say America is great.
That’s real.
Not as great as Flamengo, Fluminense, Botafogo and Vasco, but America is great.
And will be great again, when all the others are extinct.
That’s true.

Our mayor is Shepard Marcelo Crivella, a millionaire like you.
Not so orange, but he is very white.
You will like him.
He is the heir of the Universal Church of the Reign of God.
He nominated his son, Marcelo Hodge, for Secretary.
He is Hodge, not huge.

Rio is like America, full of immigrants.
Not only paraíbas from Piauí and Ceará, but also from Madureira, Olaria and Bangu.
Losers.

Madureira is our México.
Check it out.
Rio has nothing to do with it and its Mercadão.
Never had.

All our mayors plan to build a wall, not on the Madureiran border, but in Rocinha.
Great wall.
Huge.
But drug dealers refuse to pay for the wall.
It’s a disgrace.
Total disgrace.
And it would make it difficult for little maurícios from São Conrado and Zona Sul to buy marijuana.
Everyone says so.

Rio is exciting.
We have shootings on our streets every day .
You will love it.

Also have a Statue of Liberty in Barra da Tijuca.
You would hate it as much as we do.
That’s true.

In February we have Carnaval.
Insane.
Over-rated.
Lots of people pissing in the streets.
Huge blocks, like Cordão of the Bola Preta and Block of the Preta.
Not many whites there.
Zero.
But they are huge.
More people than in your inauguration.
Most of them drunk and trying to grab bitches by the pussy.
Exactly the way you do.
So carioca, so fun.
You will love it.

And we have the mulatas, with large butts.
Extra large.
The largest in the world.
But don’t mention the word “mulata”.
It’s forbidden now.
If you say “mulata” you are fired.

We have a Christ on top of a hill.
It’s huge.
The very best Christ on top of a hill in the world.
The very best.
It’s spectacular.
Believe me.

We have 4 subway lines which are a single line.
That’s amazing.
And you have to leave the train, go uspstairs, walk a lot, go downstair to take the next train in the same line.
Not so good.

We also have the most corrupt government in our history.
One governor is in prison.
His wife is in prison.
His friend and the greatest millionaire in this country is in prison.
And the new governor, Mr. Big Foot, is to be in prison soon.
That’s true.
All due to judge Marcelo Bretas.
Good man.
Tough guy.
He will make Rio safe again.
Fantastic.

Newspapers say there’s a zica epidemy.
Wrong.
Fake news.
We had factoides long before you created the alternative facts.

But Rio is great.
Believe me.
Huge problems.
Really huge.
But also the most violent police, the most corrupt politicians, the most dangerous drug dealers and the most expensive coconuts in the world.

America first, Rio second and you get 10% of commission.
Promised.

Freud e O Senhor na Cidade Maravilhosa

 

Marcelão nomeou o filho Marcelinho para a Casa Civil, para ser uma espécie de seu Primeiro Secretário.
Pôs a coroa na cabeça do herdeiro antes que outro aventureiro a quisesse – tudo dentro da nossa melhor tradição republicana.

É a dinastia Crivella / Macedo demarcando território na disputa com a antiga dinastia reinante, a dos Garotinho – cuja herdeira, a menina Clarice, também faz parte do secretariado do pastor.

São ambos pastores – Garotinho e Crivella – talvez unidos para juntos melhor garantir a posse da Capitania Hereditária Neopentecostal do Rio de Janeiro.

Marcelão alega que o filho Marcelinho é preparado, competente, e estaria sendo indicado por seus méritos, por sua aptidão técnica, não por seus genes.
Aham.

Ocorre que Marcelinho não é formado em Administração ou Economia, não tem MBA em Gestão ou algo assim.
O moço graduou-se nos Estados Unidos, na renomada Universidade de Biola (!!) em… Psicologia Cristã.

Sim.
Não numa reles Psicologia sem adjetivo, dessas que qualquer UFRJ, USP, PUC ou Unicamp oferecem.
Foi em Psicologia Cristã.

Não dá pra saber, pela internet, a grade curricular, mas é de se supor que, em vez de Freud, Jung, Melanie Klein ou Lacan, se estude o pensamento de Isaías, Jeremias, Miquéias e Oséias.

As teorias cognitivas de Habacuc e Malaquias.

A psicologia infantil segundo Isaac, que quase foi sacrificado por seu pai, Abraão (aquele que ouvia vozes que o mandavam matar o filho em sinal de devoção).

Evolucionismo by Noé.

A fixação anal nos nascidos em Sodoma.

Terapia comportamental, com ênfase nas técnicas de reprodução assexuada de peixes, panificação sem trigo, flutuação e deslocamento sobre as águas, combustão espontânea de sarças, derrubada de muralhas no grito e apedrejamento de adúlteras,

O curso, infelizmente, ainda não é reconhecido no Brasil.
Assim como não o são os de Medicina Xamânica, Odontologia Umbandista, Direito Zen ou Engenharia Espírita.
O diploma, talvez por isso, não foi validado por nenhuma universidade brasileira.

Mas o moço é bom.
É competente.
E, como a fé remove montanhas, pode até exorcizar a suspeita de que sua nomeação seja mais um vergonhoso caso de nepotismo.

Pena mesmo é que eles estejam no Rio, não num estado vizinho.
Seria a glória para o tio Edir Macedo ver pai e filho governando o Espírito Santo.

Gigantes da Lira

Gigantes 01

 

Laranjeiras
19 de fevereiro de 2017

 

Retratos da folia

 

Retratos 08

 

Largo de São Francisco da Prainha
19 de fevereiro de 2017

 

Escravos da Mauá

 

Escravos 03

 

Largo de São Francisco da Prainha
19 de fevereiro de 2017