• contato@eduardoaffonso.com.br

Arquivo da tag PT

Sambando na cara dos coxinhas

O samba-exaltação, aquele em que o azul é mais azul e o coqueiro dá coco nessa maravilha de cenário, surgiu, não por acaso, no Estado Novo.

A ditadura Vargas decidiu cooptar o samba e transformá-lo em veículo de propaganda do regime. A malandragem abriu alas para dar passagem à ideologia, ao ufanismo.

A plebe precisava estudar História – e dá-lhe enredos didáticos sobre os heróis da pátria, os vultos históricos, o nosso passado glorioso.

Instituíram-se regras carnavalescas, como a que proibia instrumentos de sopro (apropriação cultural europeia), e se normatizava o desfile das escolas (com comissão julgadora e notas) sob o olhar vigilante do Departamento de Imprensa e Propaganda (o DIP, uma espécie de Catraca Livre getulista).

Foi quando o samba embranqueceu, saindo do fundo do quintal das tias baianas para cantar a história dos vencedores, formatada pelos intelectuais do regime. A liberdade, a sátira, a irreverência deram lugar à disciplina, à lacração.

O samba se domesticava, subvencionado, instrumentalizado.

“O bonde de São Januário / leva mais um otário” (Wilson Batista) virou “o bonde de São Januário / leva mais um operário”.

Carnaval após carnaval cantando os mesmos mitos, chegou-se ao samba-enredo de uma nota só: o samba do crioulo doido de Stanislaw Ponte-Preta, em que Xica da Silva obriga a princesa Leopoldina a se casar com Tiradentes, que depois é eleito Pedro II e proclama a escravidão.

Stanislaw não viveu para ver o samba do afrodescendente desprovido de raciocínio lógico de 2018, em que militantes do partido responsável pela crise que levou milhões ao desemprego protestam contra as condições de trabalho e a reforma trabalhista. Em que defensores dos governos que drenaram o sangue do país criticam um vampiro colocado lá por eles mesmos. Em que instigadores de ódio reclamam da violência. E racistas reversos bradam contra o racismo.

Já houve outros enredos patrocinados. Escolas de samba já cantaram Hugo Chávez, cavalo manga-larga marchador, Maricá e Danone. Por que não louvar o PT, o petrolão, o mensalão, disfarçado de crítica social? E não haverá melhor lugar para fazer isso que num desfile cronometrado, cheio de regras, controlado por contraventores, bancado por verbas públicas e inventado por um regime calcado no fascismo.

(Um certo “Comando Olga Benário” espalhou pela cidade cartazes contra o assédio, numa campanha focada no “Não é Não”.  Olga foi uma militante comunista, deportada para a morte num campo de concentração por Getúlio Vargas, o ditador anticomunista que é um dos heróis da militância dos comandos-olga-benários que pululam por aí.  Stanislaw Ponte-Preta não deixaria algo assim de fora do seu Febeapá do século 21.)

Que em 2019 haja menos mijões, arrastões, saques, assaltos, trens imundos e lotados, e mais escolas (de samba) sem partido – ou só com partido-alto. Para não correr o risco de a PT (Paraíso da Tuiuti) ser campeã com um enredo-exaltação ao Minha Casa Minha Vida no paraíso encantado dos planos quinquenais de Stálin, com Crazy Hoffman de madrinha da bateria, Joesley e Marcelo Odebrecht de porta-bandeira e mestre-sala, e Lula (de tornozeleira eletrônica, devidamente autorizado por Gilmar Mendes) sambando na cara dos coxinhas no último carro.   

Democrascismo

 

“A democracia, hoje, significa diretas-já e Lula presidente.”
(Rui Falcão, presidente do PT)

Deixa eu ver se entendi.
“Democracia” significa passar por cima da Constituição e impor o seu candidato (que nem pode ser chamado de candidato, já que se ele não for eleito não vale).

Num dicionário em que isso seja “democracia”, faz todo sentido dizerem que Lula é “honesto”, que houve um “golpe” e que todos os que discordam deles são “fascistas”.

É um dicionário de antônimos, e eles ainda não se deram conta.

~

“Enquanto estivermos assistindo o duelo entre justiça social e combate à corrupção em Curitiba esta semana, continuaremos sendo governados pela turma que não está preocupada nem com uma coisa, nem com a outra”.
(Celso Rocha de Barros, na “Folha de São Paulo”, 8/5/17)

O autor é apresentado como doutor em Sociologia pela Universidade de Oxford, mas alguém deveria desenhar para ele que:

1. Não há duelo. Há um juiz interrogando um réu, conforme manda a lei.

2. O combate à corrupção não se opõe à justiça social, mas à corrupção.

3. Não há qualquer denúncia, inquérito ou investigação contra Lula por praticar “justiça social”, mas por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, obstrução de justiça, tráfico de influência e organização criminosa.

3. Roubar bilhões, que poderiam ter sido usados em saneamento, infraestrutura, educação, saúde, tecnologia, é injustiça social.

4. “A turma” que hoje governa é praticamente a mesma que governava antes, expurgados os petistas. Essa, sim, nunca esteve minimamente preocupada nem com uma justiça social nem com combate à corrupção.

~

Se uma testemunha viu alguém matar alguém, e seu depoimento é consistente, e não há contradição com o que disseram outras testemunhas que também viram a cena, não é preciso um vídeo pra provar quem é o assassino. Simples assim.

E se o que dizem as testemunhas não conta, por que é que Lula arrolou 87?

~

Não contente em publicar a asquerosa charge do Chico Caruso ontem, o Globo a republicou hoje, revista e ampliada (agora inclui o Lula, com cara de coitadinho).

Se ontem relutei em cancelar a assinatura, hoje não teve coré coré.

Case closed.

Tralha

 

Imagino que milhares de petistas estejam com os olhos postos no noticiário e o coração em São Stálin, São Chávez e São Fidel, pedindo que o moço atingido na manifestação em Goiânia não se recupere, e a causa “Volta, Lula” ganhe um mártir. (O Paulo Henrique Amorim já o dá como morto).

Se a graça não for alcançada agora, farão o possível para que o seja dia 10, em Curitiba.

Não deve haver oferta de 72 virgens no paraíso socialista para os que marcharem para o sacrifício após depredar pontos de ônibus, queimar lixeiras e pneus, vandalizar prédios públicos e agências bancárias, incendiar viaturas. Talvez estejam prometidas 13 licitações fraudadas, 13 obras superfaturadas, 13 mochilas cheias de propina, 13 sítios, 13 triplex e uma caixa (2) com os presentes roubados da Presidência.

~

Os trabalhadores que saíram às ruas no dia 28, no Rio, houveram por bem manifestar-se pelos seus direitos quebrando pontos do velitê e destruindo o elevador para portadores de deficiência física do metrô da Cinelândia.

Nada como ter argumentos embasados e convincentes.

~

Pesquisa do DataFolha (ou seja, com margem de erro de 100% para mais e 100% para menos) aponta que Aécio e Alckmin despencaram, enquanto Lula subiu e tem 30% da intenção de votos.

Se há duas coisas que isso prova é que coxinha não tem bandido de estimação – e que petista é tão impermeável aos fatos quanto aderente a uma narrativa mitômana.

~

O DataFolha incluir um juiz de primeira instância, que não é candidato a nada, numa pesquisa eleitoral faz tanto sentido quanto incluir letras num bolão da megassena.

Lula e Moro não são adversários: são juiz e réu.
Se estão em campos opostos, não é na política – é diante da lei.
Um está do lado dela; o outro, contra.

~

Moro determinou que Lula devolva 21 dos presentes que ganhou durante o período em que era presidente, e que levou consigo. A lei dispõe que sejam incorporados ao patrimônio público.

Lula alega que são “tralhas”.

E tanto são “tralhas” que ele as guarda num cofre do Banco do Brasil.

~

Deixa o sultão Bin Zayed, dos Emirados Árabes, saber que Lula considera “tralha” uma certa escultura de camelo de ouro maciço e cristal.

Espera só o fantasma do Muamar Khadafi ser informado que é chamada de “tralha” uma adaga de ouro amarelo e branco, com pedras preciosas…

Pequenas mentiras e grandes inverdades

 

1. A Lista do Fachin mostra que os políticos são todos corruptos e todos iguais.

Não, não mostra.

Mostra, claramente, que há muito políticos corruptos.
E, mais claramente ainda, que uns são muitíssimo mais corruptos que os outros.

Só quer nivelar por baixo quem precisa desesperadamente reduzir a percepção de quão grande é a baixeza, a sordidez, a indignidade do seu bandido de estimação.

~

2. Bolsonaro não está na lista. Logo, não é corrupto.

Bolsonaro apenas não foi flagrado desviando recursos, pedindo favores ou traficando influência.

Corrupto também quer dizer imoral, indecoroso, degenerado.
Corrupto também quer dizer podre, indecente, pervertido.

Bolsonaro pode não ter colocado a mão em um centavo de dinheiro roubado (o que não é mérito algum: é o mínimo que se espera de qualquer homem público).

Sua moral é corroída pela intolerância, pelo racismo, pela xenofobia, pela homofobia, pela misoginia, pela apologia da violência, pelo desapreço aos valores democráticos.

Corrupto – corrompido – não é só aquele que rouba.

~

3. O PT sempre foi contra a terceirização e as privatizações.

O PT terceirizou o Legislativo e o Executivo, negociando leis, decretos, medidas provisórias para atender aos interesses das grandes empresas.

O PT privatizou a Petrobras e as estatais e toda a máquina administrativa – o Estado deixou de ser coisa pública para ser propriedade privada do partido.

~

4. O governo Temer é corrupto porque o ministério de Michel Temer é formado de corruptos.

Moreira Franco é ministro de Temer e foi de Dilma.
Eliseu Padilha é ministro de Temer, e foi de Dilma e de FHC.
Gilberto Kassab é ministro de Temer e foi de Dilma.
Hélder Barbalho é ministro de Temer e foi de Dilma.
Aloysio Nunes é ministro de Temer e foi de FHC.
José Serra foi ministro de Temer e de FHC.
Edinho Silva foi ministro de Dilma.
Kátia Abreu foi ministra de Dilma.
Gleisi Hoffman foi ministra de Dilma.
Eduardo Braga foi ministro de Dilma.
Fernando Pimentel foi ministro de Dilma.
Guido Mantega foi ministro de Dilma e de Lula.
Romero Jucá foi ministro de Temer e de Lula.
Edison Lobão foi ministro de Dilma e de Lula.
Renan Calheiros foi ministro de FHC.
Yeda Crusius foi ministra de Itamar Franco.
José Dirceu foi ministro de Lula.

~

5. O Brasil não tem jeito.

Tem.
É só não nivelar todo mundo com o Lula.
É injusto com os outros ladrões, que não roubaram tanto.
É injusto com o Lula, que não é um ladrãozinho como os outros.

É só não querer trocar um Lula por um Bolsonaro ou outro corrupto com sinal invertido.

É só não pendurar a consciência na caixa de penhores de uma ideologia, como fazem os discípulos da “esquerda” de Lula ou da “direita” de Bolsonaro.

É só não fazer esse ou aquele de boi de piranha, e deixar o resto do rebanho passar incólume pela correnteza da Lava Jato.

Petismo Elementar em duas lições

 

1.
Se existisse o PT na época do Jânio Quadros, os petistas considerariam golpe o vice (Jango) não assumir quando do afastamento (voluntário) do presidente.

Se existisse PT na época do Costa e Silva, os petistas considerariam golpe o vice (Pedro Aleixo) não assumir quando do afastamento (por doença) do presidente.

O PT existia na época do Collor, e os petistas considerariam golpe o vice (Itamar) não assumir quando do afastamento (constitucional) do presidente.

O PT existe hoje e, como era ele quem estava no poder, os petistas consideram golpe o vice (Temer) assumir quando do afastamento (constitucional) da “presidenta”.

2.
O PT considera que Jair Bolsonaro (PSC) não está acima da lei. Portanto, deve ser julgado por seus crimes, podendo inclusive ser condenado e preso.

O PT considera que Eduardo Cunha (PMDB) não está acima da lei. Portanto, deve ser julgado por seus crimes, podendo inclusive ser condenado e preso.

O PT considera que Aécio Neves (PSDB) não está acima da lei. Portanto, deve ser julgado por seus crimes, podendo inclusive ser condenado e preso.

O PT considera que investigar, julgar, condenar e, eventualmente, prender Lula (PT) “abre caminho para saídas autoritárias” e “impede a realização de eleições livres e justas”.

~

(Na próxima aula, apresentaremos “Introdução à Aritmética Petista”, em que 2 + 2 são sempre 4, a menos que haja interesse em que seja 3 ou 5, ou, quem sabe? 9, ou raiz quadrada de -1)

Progressismo

 

Quando Maduro assumiu o poder na Venezuela, a pobreza atingia 48,4% da população.
Hoje atinge 81,5%.
O PT apoia esse governo.

Quando Maduro assumiu, a inflação era de cerca de 60% ao ano.
A inflação prevista para este ano era de 700%
A nova previsão é que chegue, ao final de 2017, entre 1.660% e 2.200%.
O PT apoia esse governo.

O percentual de famílias sem recursos para comprar comida é de 93%.
O índice de escassez de remédios é de 92%.
O PT apoia esse governo.

2 milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos 15 anos.
O êxodo para o Brasil, em busca de melhores oportunidades, cresceu 3.000% no último ano.
O PT apoia esse governo.

O poder judiciário, aparelhado pelo chavismo, deu um golpe, assumindo os poderes do legislativo.
O PT apoia esse golpe e esse governo.

O chavismo reprime com violência as manifestações por democracia.
2.000 pessoas foram presas em manifestações.
39 pessoas foram mortas nesses protestos.
O país tem 77 presos políticos.
O PT apoia esse governo.

Diz-me o que apoias, e te direi o que és.

Cabeça de porco

 

1.
A Polícia Federal agiu, mais uma vez, como na Operação Lava-Jato, sem pensar nos mais altos interesses nacionais, e é a única culpada por a China suspender a importação de carne brasileira, e a Europa estar em vias de fazer o mesmo.

A PF devia pesar as consequências dos seus atos, ainda mais neste momento em que o país começa a se recuperar da crise, e depende tanto das exportações.

Custava ter mandado um whats pro Ministro da Agricultura avisando que os frigoríficos estavam subornando funcionários públicos (até com asinha de frango!) e vendendo carne podre maquiada com ácido ascórbico? Ou uma mensagem inbox pelo feice?

Tinha que ser em público, em voz alta, nesse espetáculo midiático?

Custava ter ligado pro Tony Ramos, pro Roberto Carlos e pra Fátima Bernardes e se informado melhor? Esse povo da PF confia mais num reles exame de DNA – que hoje se faz em qualquer esquina – que no Tony Ramos! Onde vamos parar?

Já pensaram no dano ambiental causado pela carne podre que os frigoríficos agora terão que descartar, em vez de embalar a vácuo, trocar a data de validade e despachar pra Coreia, onde eles comem até cachorro?

É muita hipocrisia os órgãos ambientais estimularem a reciclagem, dizerem que isso ajuda a preservar o ecossistema, e quando um frigorífico, com a melhor das intenções, faz isso, é penalizado.

Como é que que tem gente que aplaude quem transforma pneu velho em gangorra e rolo de papel higiênico em luminária, e vem agora criticar quem transformou carcaça de frango em salsicha de peru, carne vencida em carne válida, cabeça de porco em linguiça?

Mal comparando, seria como transformar Susana Vieira em Sophie Charlotte – e neguinho ainda reclama!

2.
É bonito ver os petistas que nem barata tonta, sem saber se apoiam a PF (porque, em última análise, as exportações vão cair e prejudicar o governo Temer) ou se se colocam contra ela (já que esse é o posicionamento padrão, ainda mais quando se trata de uma investigação feita quase toda durante o (des)governo da finada presidenta).

Ou será que tudo não passa de um golpe para esvaziar as manifestações dos “movimentos sociais”, todas movidas a mortadela?

3.
Depois do convite do presidento, ontem, para que os embaixadores o acompanhassem a uma churrascaria, oremos para que a próxima operação da PF não envolva os laboratórios que produzem medicamentos contra aids e vacina contra febre amarela – ou corre-se o risco de no dia seguinte lá estarem o Temer e sua comitiva se enfiando pelados na Mata Atlântica pra transar sem camisinha.

Conquistas

 

O PIB recuou 3,6% em 2016 (já tinha recuado 3,8% em 2015).
Obrigado, presidenta Dilma.
Obrigado, PT.

É a pior crise já registrada na economia brasileira, superando a dos anos 30.
Obrigado, presidenta Dilma.
Obrigado, PT. 

O consumo das famílias caiu 4,2%.
Obrigado, presidenta Dilma.
Obrigado, PT.

A renda per capita caiu 4,4% em 2016, depois de ter caído 4,6% em 2015.
Com isso, foram anulados os ganhos dos quatro anos anteriores.
Obrigado, presidenta Dilma.
Obrigado, PT.

Mudando de assunto, você já assinou o manifesto pedindo a volta do Lula?
Já gritou “Fora, Temer” hoje?
Porque não há nada tão ruim que não possa se tornar ainda muito pior.

Ladainha

 

Fora Temer, quem mais os petistas odeiam?

Todo mundo que participa do seu governo (ilegítimo, inconstitucional, fisiológico, entreguista, feio, bobo, golpista etc).

Compactuo do horror que os petistas têm ao Temer, ao seu governo, aos seus ministros.
Com a ressalva de que eu não votei no Temer.
Eles, sim.

O Temer me caiu de paraquedas, me foi enfiado goela abaixo.
Os petistas, ao contrário, escolheram-no.
E não uma vez só, mas duas.

Aceito o Temer como quem aceita uma injeção de Benzetacil.
Não quero, não gosto, é horrível – mas ou é isso ou a infecção generalizada.
Respiro fundo, prendo o choro, xingo a mãe do moço da farmácia e toco o barco.

Como os petistas, não suporto olhar para a cara do Edison Lobão, nobre presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.
Mas, ao contrário dos petistas, eu também não o suportava quando ele era Ministro de Minas e Energia de Lula e de Dilma.

Compartilho com os petistas uma profunda antipatia pelo Presidente do Senado, Eunício Oliveira.
Só que eles o achavam simpaticíssimo quando era Ministro das Comunicações de Lula.

Eliseu Padilha, braço direito do golpista, quem consegue confiar nesse sujeito?
Os petistas, certamente – pelo menos enquanto foi Ministro da Aviação Civil da finada Presidenta.

Como não me solidarizar com os petistas no asco pelo Geddel Viera Lima, o do apartamento com vista pro mar em Salvador?
Mas o asco deles é recente, só desabrochou depois que ele deixou de ser Ministro da Integração Nacional do viúvo de D. Marisa.

Ah, Romero Jucá, o surubático Romero Jucá…
Impossível não ser tomado de ojeriza ao vê-lo, ouvi-lo, imaginá-lo.
Exceto os petistas, que surubaram com ele sem pudor algum enquanto era Ministro da Previdência Social do Lula.

E Silas Rondeau, encalacrado na Lava Jato, indiciado por tráfico de influência?
Abominável, diriam os petistas – e eu concordo.
Mas os petistas só acham isso depois que ele deixou de ser Ministro de Minas e Energia.
De quem?
Ganha um sítio em Atibaia quem adivinhar.

E tem ainda Moreira Franco, estrategicamente nomeado pelo nefasto Temer apenas para adquirir foro privilegiado.
Se bem me lembro, ele teve o mesmo foro como Ministro de Assuntos Estratégicos de Dilma, e ninguém falou nada.

Eu não gosto do Temer, mas desde sempre.
Os petistas, esses só começaram a desgostar quando ele se cansou de ser um vice decorativo e resolveu partir para novos desafios.

Por isso entendo quando entram transe (e em loop) com seu mantra “Fora, Temer”.

É que levaram cinco anos para saber que ele existia (e que existiam Moreira Franco, Jucá, Eunício, Rondeau, Padilha, Geddel), e só aí começar a ladainha.

Sabe como é, ficha de petista demora um pouco a cair.

Políticas

 

Finalmente, começo a concordar com o PT:

1.
“A construção de novos presídios não vai resolver a questão prisional no Brasil”.

Também acho.

A construção de escolas também não vai resolver o problema educacional.
A construção de hospitais não vai resolver o problema de saúde.
A construção de estradas não vai resolver o problema de transporte.

E nem por isso deve-se deixar de construir escolas, hospitais, estradas – e presídios.
Pelo único e bom motivo que isso ajuda a enfrentar o problema.
E, na pior das hipóteses, torna menos indigna a vida de quem está preso, menos cruel a de quem está doente, menos desconfortável a de quem estuda, menos insegura a de quem viaja.

2.
“A prisão do líder do MST foi política”.

Foi.

Política é a ciência moral normativa do governo da sociedade civil.
É tudo aquilo relativo à sociedade, à comunidade.
É a arte da administração do Estado.

O homem é um animal político.

Prender o Maníaco do Parque, o Eduardo Cunha, a Suzane von Richthofen, o Boulos ou o Sérgio Cabral são, sim, atos políticos.

Como será política a tão esperada prisão do Lula.
E a do diretor que fez acordo com os líderes de facções criminosas para permitir entrada de armas e celulares no presídio de Manaus.

3.
“Temer se cercou de corruptos no ministério”.

Quem há de negar?

E nenhum deles chegou ao poder agora.
Praticamente todos (Temer incluído) fizeram parte dos governos Dilma e Lula.

(Será que os amigos petistas que perdi vão voltar, agora que comecei a concordar com o PT?).