• contato@eduardoaffonso.com.br

Arquivo da tag Michel Temer

Sambando na cara dos coxinhas

O samba-exaltação, aquele em que o azul é mais azul e o coqueiro dá coco nessa maravilha de cenário, surgiu, não por acaso, no Estado Novo.

A ditadura Vargas decidiu cooptar o samba e transformá-lo em veículo de propaganda do regime. A malandragem abriu alas para dar passagem à ideologia, ao ufanismo.

A plebe precisava estudar História – e dá-lhe enredos didáticos sobre os heróis da pátria, os vultos históricos, o nosso passado glorioso.

Instituíram-se regras carnavalescas, como a que proibia instrumentos de sopro (apropriação cultural europeia), e se normatizava o desfile das escolas (com comissão julgadora e notas) sob o olhar vigilante do Departamento de Imprensa e Propaganda (o DIP, uma espécie de Catraca Livre getulista).

Foi quando o samba embranqueceu, saindo do fundo do quintal das tias baianas para cantar a história dos vencedores, formatada pelos intelectuais do regime. A liberdade, a sátira, a irreverência deram lugar à disciplina, à lacração.

O samba se domesticava, subvencionado, instrumentalizado.

“O bonde de São Januário / leva mais um otário” (Wilson Batista) virou “o bonde de São Januário / leva mais um operário”.

Carnaval após carnaval cantando os mesmos mitos, chegou-se ao samba-enredo de uma nota só: o samba do crioulo doido de Stanislaw Ponte-Preta, em que Xica da Silva obriga a princesa Leopoldina a se casar com Tiradentes, que depois é eleito Pedro II e proclama a escravidão.

Stanislaw não viveu para ver o samba do afrodescendente desprovido de raciocínio lógico de 2018, em que militantes do partido responsável pela crise que levou milhões ao desemprego protestam contra as condições de trabalho e a reforma trabalhista. Em que defensores dos governos que drenaram o sangue do país criticam um vampiro colocado lá por eles mesmos. Em que instigadores de ódio reclamam da violência. E racistas reversos bradam contra o racismo.

Já houve outros enredos patrocinados. Escolas de samba já cantaram Hugo Chávez, cavalo manga-larga marchador, Maricá e Danone. Por que não louvar o PT, o petrolão, o mensalão, disfarçado de crítica social? E não haverá melhor lugar para fazer isso que num desfile cronometrado, cheio de regras, controlado por contraventores, bancado por verbas públicas e inventado por um regime calcado no fascismo.

(Um certo “Comando Olga Benário” espalhou pela cidade cartazes contra o assédio, numa campanha focada no “Não é Não”.  Olga foi uma militante comunista, deportada para a morte num campo de concentração por Getúlio Vargas, o ditador anticomunista que é um dos heróis da militância dos comandos-olga-benários que pululam por aí.  Stanislaw Ponte-Preta não deixaria algo assim de fora do seu Febeapá do século 21.)

Que em 2019 haja menos mijões, arrastões, saques, assaltos, trens imundos e lotados, e mais escolas (de samba) sem partido – ou só com partido-alto. Para não correr o risco de a PT (Paraíso da Tuiuti) ser campeã com um enredo-exaltação ao Minha Casa Minha Vida no paraíso encantado dos planos quinquenais de Stálin, com Crazy Hoffman de madrinha da bateria, Joesley e Marcelo Odebrecht de porta-bandeira e mestre-sala, e Lula (de tornozeleira eletrônica, devidamente autorizado por Gilmar Mendes) sambando na cara dos coxinhas no último carro.   

Pequenas mentiras e grandes inverdades

 

1. A Lista do Fachin mostra que os políticos são todos corruptos e todos iguais.

Não, não mostra.

Mostra, claramente, que há muito políticos corruptos.
E, mais claramente ainda, que uns são muitíssimo mais corruptos que os outros.

Só quer nivelar por baixo quem precisa desesperadamente reduzir a percepção de quão grande é a baixeza, a sordidez, a indignidade do seu bandido de estimação.

~

2. Bolsonaro não está na lista. Logo, não é corrupto.

Bolsonaro apenas não foi flagrado desviando recursos, pedindo favores ou traficando influência.

Corrupto também quer dizer imoral, indecoroso, degenerado.
Corrupto também quer dizer podre, indecente, pervertido.

Bolsonaro pode não ter colocado a mão em um centavo de dinheiro roubado (o que não é mérito algum: é o mínimo que se espera de qualquer homem público).

Sua moral é corroída pela intolerância, pelo racismo, pela xenofobia, pela homofobia, pela misoginia, pela apologia da violência, pelo desapreço aos valores democráticos.

Corrupto – corrompido – não é só aquele que rouba.

~

3. O PT sempre foi contra a terceirização e as privatizações.

O PT terceirizou o Legislativo e o Executivo, negociando leis, decretos, medidas provisórias para atender aos interesses das grandes empresas.

O PT privatizou a Petrobras e as estatais e toda a máquina administrativa – o Estado deixou de ser coisa pública para ser propriedade privada do partido.

~

4. O governo Temer é corrupto porque o ministério de Michel Temer é formado de corruptos.

Moreira Franco é ministro de Temer e foi de Dilma.
Eliseu Padilha é ministro de Temer, e foi de Dilma e de FHC.
Gilberto Kassab é ministro de Temer e foi de Dilma.
Hélder Barbalho é ministro de Temer e foi de Dilma.
Aloysio Nunes é ministro de Temer e foi de FHC.
José Serra foi ministro de Temer e de FHC.
Edinho Silva foi ministro de Dilma.
Kátia Abreu foi ministra de Dilma.
Gleisi Hoffman foi ministra de Dilma.
Eduardo Braga foi ministro de Dilma.
Fernando Pimentel foi ministro de Dilma.
Guido Mantega foi ministro de Dilma e de Lula.
Romero Jucá foi ministro de Temer e de Lula.
Edison Lobão foi ministro de Dilma e de Lula.
Renan Calheiros foi ministro de FHC.
Yeda Crusius foi ministra de Itamar Franco.
José Dirceu foi ministro de Lula.

~

5. O Brasil não tem jeito.

Tem.
É só não nivelar todo mundo com o Lula.
É injusto com os outros ladrões, que não roubaram tanto.
É injusto com o Lula, que não é um ladrãozinho como os outros.

É só não querer trocar um Lula por um Bolsonaro ou outro corrupto com sinal invertido.

É só não pendurar a consciência na caixa de penhores de uma ideologia, como fazem os discípulos da “esquerda” de Lula ou da “direita” de Bolsonaro.

É só não fazer esse ou aquele de boi de piranha, e deixar o resto do rebanho passar incólume pela correnteza da Lava Jato.

Ladainha

 

Fora Temer, quem mais os petistas odeiam?

Todo mundo que participa do seu governo (ilegítimo, inconstitucional, fisiológico, entreguista, feio, bobo, golpista etc).

Compactuo do horror que os petistas têm ao Temer, ao seu governo, aos seus ministros.
Com a ressalva de que eu não votei no Temer.
Eles, sim.

O Temer me caiu de paraquedas, me foi enfiado goela abaixo.
Os petistas, ao contrário, escolheram-no.
E não uma vez só, mas duas.

Aceito o Temer como quem aceita uma injeção de Benzetacil.
Não quero, não gosto, é horrível – mas ou é isso ou a infecção generalizada.
Respiro fundo, prendo o choro, xingo a mãe do moço da farmácia e toco o barco.

Como os petistas, não suporto olhar para a cara do Edison Lobão, nobre presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.
Mas, ao contrário dos petistas, eu também não o suportava quando ele era Ministro de Minas e Energia de Lula e de Dilma.

Compartilho com os petistas uma profunda antipatia pelo Presidente do Senado, Eunício Oliveira.
Só que eles o achavam simpaticíssimo quando era Ministro das Comunicações de Lula.

Eliseu Padilha, braço direito do golpista, quem consegue confiar nesse sujeito?
Os petistas, certamente – pelo menos enquanto foi Ministro da Aviação Civil da finada Presidenta.

Como não me solidarizar com os petistas no asco pelo Geddel Viera Lima, o do apartamento com vista pro mar em Salvador?
Mas o asco deles é recente, só desabrochou depois que ele deixou de ser Ministro da Integração Nacional do viúvo de D. Marisa.

Ah, Romero Jucá, o surubático Romero Jucá…
Impossível não ser tomado de ojeriza ao vê-lo, ouvi-lo, imaginá-lo.
Exceto os petistas, que surubaram com ele sem pudor algum enquanto era Ministro da Previdência Social do Lula.

E Silas Rondeau, encalacrado na Lava Jato, indiciado por tráfico de influência?
Abominável, diriam os petistas – e eu concordo.
Mas os petistas só acham isso depois que ele deixou de ser Ministro de Minas e Energia.
De quem?
Ganha um sítio em Atibaia quem adivinhar.

E tem ainda Moreira Franco, estrategicamente nomeado pelo nefasto Temer apenas para adquirir foro privilegiado.
Se bem me lembro, ele teve o mesmo foro como Ministro de Assuntos Estratégicos de Dilma, e ninguém falou nada.

Eu não gosto do Temer, mas desde sempre.
Os petistas, esses só começaram a desgostar quando ele se cansou de ser um vice decorativo e resolveu partir para novos desafios.

Por isso entendo quando entram transe (e em loop) com seu mantra “Fora, Temer”.

É que levaram cinco anos para saber que ele existia (e que existiam Moreira Franco, Jucá, Eunício, Rondeau, Padilha, Geddel), e só aí começar a ladainha.

Sabe como é, ficha de petista demora um pouco a cair.

Retrocesso golpista antidemocrático

 

1.
A petezada não economiza nas críticas ao Dória por ter “se fantasiado” de gari.

Não me lembro de terem dito um A quando Lula e Dilma se fantasiaram de petroleiros.

2.
A primeira entrevista coletiva do Donald Trump mostrou que, se ele não levar um tiro na testa ou o planeta à bancarrota, os próximos quatro anos serão muito divertidos.

O do topete laranja não aceitou responder a um repórter da CNN (“Você não! Calado!”), porque sabia que a pergunta seria inconveniente.

Consegue imaginar Temer
(“A todos respondê-los-ei, certamente, menos ao senhor de gravata vermelha, da Folha de São Paulo”)
ou a Dilma
(“Só respondo, no que se refere às perguntas, às dos blogueiros e blogueiras patrocinados. Vocês, não, mídia golpista!”)
fazendo a mesma coisa?

3.
A próxima Copa do Mundo terá 48 times, lembrando o campeonato brasileiro de umas décadas atrás, quando juntar os amigos para jogar totó ou futebol de botão implicava no risco de ser convocado pela CBF (ou ainda era CBD?) para participar do certame.

Imagino a emoção que será assistir Togo x Tonga, Barbados x Bermudas, Liechtenstein x Vaticano.

Com narração de Galvão Bueno, claro.

4.
Numa coisa o Trump tá certo.

A Meryl Streep é mesmo uma atriz muito superestimada.

Para os democratas, é a atriz que já levou o Oscar três vezes.

Para os republicanos, é a atriz com mais derrotas.
Foi indicada dezenove vezes, e em dezesseis delas voltou pra casa de mãos abanando.

5.
Lula, quando presidente, cogitou de criar um Ministério de Segurança Pública para cuidar dos presídios, do crime organizado, do tráfico de drogas (ao contrário do que dizem os petistas, o problema não começou com a posse do Temer).

O então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, foi contra, porque isso esvaziaria sua pasta.

Quem queria esse assumir o novo ministério era o José Dirceu.
Assim, ele se transformaria no czar antidrogas do Brasil.

Já pensou, José Dirceu no combate às drogas?

No minimo, ficaria com 20% dos lucros do tráfico.
Fecharia acordos de cúpula com as Farc e o PCC, eliminando atravessadores e otimizando a cadeia (sem trocadilho) produtiva.

Haveria só petistas em postos chave do Comando Vermelho – que, mais que nunca, faria jus ao nome.

Pablo Escobar escapou por pouco de ser transformado em mero figurante.

6.
Realmente, o governo Temer está sendo terrível com a população.

A inflação caiu de 10,67% (2015) para 6,29% (2016).
Com isso, os juros já baixaram de 14% para 13%.

Se a economia continuar assim, onde vamos parar?

Pela volta da inflação, #foraTemer.
Pela retomada da recessão e do desemprego, #voltaDilma.

Fora Temer, volta Lula, ou

 

Fora Temer 01

ou “A arte de errar, persistir no erro e achar que o inferno são os que tentam corrigi-lo”

É patético ver quem apoiou incondicionalmente os governos que nos lançaram – por incompetência, ganância e falta de escrúpulos – nesta crise sem tamanho, vir agora protestar contra quem tenta tirar o país do fundo do poço.

Se voltam contra quem eles mesmos elegeram – Temer e Pezão, ambos corruptos – mas não por serem corruptos, e, sim, por ter recaído sobre eles o ônus de arcar com a conta da corrupção.

Fecharam de novo, hoje, a Rio Branco e a Primeiro de Março para protestar contra o corte de gastos – como se houvesse alternativa.

Protestam por ter sido impedidos de entrar na Assembléia Legislativa – atitude que, do carro de som, bradam ser “antidemocrática” – como se sua forma de se manifestar, impondo seu ponto de vista no grito e com quebra-quebra, fosse parâmetro de comportamento democrático.

Numa coisa, entretanto, estão certíssimos: não temos que pagar essa conta.

Quem tem que pagar, na minha opinião, são os petistas, não os brasileiros.

Eles que roubaram e apoiaram o roubo, que cubram o déficit.
Eles que elegeram Lula, Dilma e Temer, que os embalem.
E nos entreguem de volta o país como o receberam, em 2002.

(Esperei pelo confronto, pra ver se rolava alguma foto mais dramática, mas tudo correu na santa paz, e segui meu rumo.

Os cravos no colete indicam que os policiais cumprem sua missão, mas estão solidários com os manifestantes.)

 

Valor nominal

 

Dizem que político brasileiro não vale nada.

Isso é um baita erro de avaliação.

Michel Temer, sabe-se agora, vale 10 milhões.

Parece muito, mas é menos da metade do que vale o Romero Jucá (22 milhões) e equivale a um Eduardo Cunha.

Renan Calheiros, tão supervalorizado, vale quase o mesmo que Rodrigo Maia (500 mil e 600 mil, respectivamente).

São precisos dois Geddel Vieira (ou um Geddel e um Eunício de Oliveira) para comprar um Eliseu Padilha (os dois primeiros custam 2 milhões cada; o terceiro, você mesmo calcula).

E isso é só a primeira das 77 delações.
O valor de mercado deles deve subir muito (mas bota muito nisso) até o final das investigações.

Nada, claro, que se compare a um Lula – mas aí também era querer demais.

Quem não vale nada somos nós.

Maniqueísmo

 

Sei de gente que hoje não vai conseguir dormir por causa da delação da Odebrecht.

E não são os tucanos e peemedebistas que (ô novidade!) tiveram suas relações promíscuas com a empreiteira reveladas.

São os petistas.

Seu neurônio eremita vai surtar, coitado, tentando ajustar aquela narrativa de que a Lava Jato só prende petista, só investiga petista, só tem olhos para petista, só fareja petista. – e, inclusive, tem como única razão de ser acabar com o PT e os petistas.

A partir de hoje, a operação volta seu radar para
Michel Temer
Moreira Franco
Eliseu Padilha
Romero Jucá
Eunício de Oliveira
Renan Calheiros
José Serra
Geraldo Alckmin
Kátia Abreu
e mais uma penca de outros políticos do PMDB, PSDB e (claro) também do PT.

Como reagirá o solitário, desvalido neurônio petista?
Conseguirá nosso herói torcer pela Lava Jato, que poderá derrubar ministros golpistas e o próprio golpista-mór?
Vibrará com a rasteira a ser dada em tucanos da mais lustrosa plumagem?
Mas como fará isso, se a Lava Jato é má, é feia, é boba, é pirotecnia midiática, é financiada pela CIA e pelo patriarcado opressor?

Temer vestirá seu pijama roxo, dará um selinho na Marcela e se dirigirá ao seu sarcófago, como faz todas as noites.

Serra preparará sua caneca de café forte e passará a madrugada tramando um jeito de conquistar o mundo, ou, pelo menos, a indicação para concorrer de novo à Presidência em 2018, como faz todas as noites.

Alckmin assistirá o programa do Amaury enquanto pratica acupuntura num bonequinho do Aécio e noutro do Serra, como faz todas as noites.

Já os petistas… esses conhecerão a dor e a delícia de um contentamento descontente, de cuidar que ganha em se perder, de servir a quem vence o vencedor.

Maniqueístas e mitômanos eles sempre foram.
Vamos ver como conciliam isso agora com a bipolaridade.

Homens de bens

 

1.
Dizem que o poder inebria, que o poder corrompe.

Em outro lugar, talvez – não no Brasil.

Aqui, com o poder sobrevém a amnésia.

Não é que Lula nunca soube de nada que se passava à sua volta.
Soube só no instante, para no momento seguinte não saber de mais nada.

A mesma “síndrome de Dory” se abateu sobre Cabral.
Não se lembra de onde vieram as jóias, quem as comprou.
Não sabe quem reformou seu apartamento, ou como as obras foram pagas.

Cláudia Cruz também não sabe de onde vinha o dinheiro que bancava suas bolsas, seus sapatos, seus jantares.
Até queria saber (“Dudu, a gente tem saldo pra isso? Isso não é mais que o seu salário?”), mas se esqueceu de perguntar.

2.
O poder, que noutros lugares sobe à cabeça, aqui nos torna mais humildes.

Lula, podendo ser dono de latifúndios, usava de favor o sítio de amigos para passar os finais de semana.
Dependia de conhecidos para guardar suas tralhas.
E da bondade de estranhos para ter uma vista pro mar.

Cabral navegava no iate de um amigo, voava no helicóptero de um amigo, e mesmo a mansão que frequentava em Mangaratiba não é dele – é da mulher.

Garotinho preferiu não utilizar a rede pública de saúde, ocupando um leito que poderia servir a alguém mais necessitado, e optou por pagar do próprio bolso a internação num hospital particular para a cirurgia eletiva de emergência.

Essa é a diferença entre homens de bens e homens de bem.

3.
O poder atrai homens de gabarito.

E quer homem com gabarito mais elevado que o ministro Geddel?

Não contente em receber salário acima do teto, comprou um apartamento no 25º andar de um prédio cujo gabarito, por lei, é de 13 pavimentos.

É disso que o governo Temer precisa.

De homens que pensem alto.

Fim do mundo

 

1.
Bob Dylan não poderá ir a Estocolmo receber o Nobel de Literatura porque tem outros compromissos.

A Academia Sueca devia ter continuado premiando só desocupados – ou gente com agenda menos concorrida – como Barack Obama, Nelson Mandela, Kofi Annan, Saramago e aquele monte de cientista que não tem mesmo mais nada pra fazer.

2.
A prefeita de uma cidadezinha americana renunciou depois de ter feito um comentário (tipo “Ganhei o dia”) na postagem de uma correlegionária do Trump, que havia escrito que “Será revigorante ter novamente na Casa Branca uma primeira-dama com classe, bela e digna… Estou cansada de ver uma macaca de salto alto.”

Tomara que a moda de renunciar após falar merda se torne uma tradição nos Estados Unidos.

3.
Cláudia Cruz se recusou a responder às perguntas do Sérgio Moro e dos advogados de acusação.
Só respondeu às perguntas previamente ensaiadas com seu advogado.

Dilma Rousseff se recusou a ser entrevistada no “Roda Viva”.
Só aceitaria se pudesse escolher os entrevistadores.
E, claro, combinar antes as perguntas, e receber o gabarito das respostas.

Nada como não ter nada a esconder.

4.
Golpistas (de verdade) invadiram a Câmara exigindo intervenção militar.

A causa já era indefensável.
Com métodos errados, então…

Com adversários como esses, que gastam munição atirando contra o próprio pé, a Democracia tá salva.

5.
Para levantar a platéia um tanto minguada e desanimada no festival Mimo, a Simone Mazzer não teve dúvida: puxou um “fora, Temer”. Nem assim.

No dia seguinte, no mesmo festival, Ney Matogrosso perdeu a paciência com uns gatos pingados que gritavam “fora, Temer” na plateia e parou o show.

Dias antes, tinha sido a vez do António Zambujo pedir respeito aos que gritavam não só “fora, Temer”, mas “volta, Lula”.

Tudo bem que o choro é livre – mas já deu, né?

6.
Que tal o Temer começar a implantar a PEC do Teto de Gastos no seu ministério, pra dar exemplo?

Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima e Osmar Terra ganham acima do máximo permitido pela Constituição.

7.
O Ministério da Saúde tinha que tomar alguma providência contra a Polícia Federal.

Ontem prenderam o Garotinho.
Hoje, o Cabral.

Tinham que dar pelo menos 48 horas de intervalo entre uma emoção forte e outra, pra gente tomar fôlego.

Não é todo mundo que tem pressão 12 x 8.

8.
O mundo pode respirar aliviado.

A frenética astróloga Leiloca consultou os astros e Urano lhe garantiu que há poucas chances de que Trump termine o mandato – isso se chegar a tomar posse.

Resta saber se o mandato do Trump acaba antes da hora sozinho ou se o mundo acaba junto.

Apocalipse

 

1.
Terror usa civis como escudo humano no Iraque.

Delegacia no Rio funciona sem água e sem luz.

Escola no Rio fecha por falta de limpeza.

Policiais de vias expressas no Rio têm gasolina racionada.

Gaviões do Forró participa de sonegação de impostos de R$ 500 milhões.

Presidente da Assembleia Legislativa do Rio vende vacas superfaturadas.

65% das pessoas acham que Lula está sendo acusado com base em convicções, não em provas.

Em vez de defender energia solar, eólica e demais fontes alternativas, esquerda se agarra à defesa do petróleo.

Dilma diz que os votos dela não são do Temer, mas que as contas da campanha dela são, sim.

Guerra entre facções mata 18 em presídios superlotados no Norte do país. Presos tinham arsenal, e alguns foram decapitados.

Boates da Barra são autuadas por manter saídas de emergência não sinalizadas e trancadas com cadeado.

Cadê esse meteoro quando a gente mais precisa dele?

2.
Quem você prefere?

o que extorque a população mais pobre cobrando pedágio pro céu ou o que expropria a classe média e a classe alta para bancar seu projeto de poder?

o que não esconde seu discurso de ódio contra os que não são da sua seita, ou o que apoia veladamente a violência sectária?

o que é apoiado por uma milícia, ou o que tem uma milícia própria?

o que abomina quem não comunga da sua orientação sexual, ou o que quer enfiar uma ideologia de gênero goela abaixo?

o que quer trazer de volta ao governo corruptos notórios, ou o que propõe inchar a máquina do estado para acomodar a sua militância?

o que prega que doença é coisa do diabo e exorcismo é a solução, ou o que prega que o liberalismo é coisa do diabo, e a esquerda é a solução?

A escolha será em 30 de outubro, véspera do Dia das Bruxas.

Se não tivermos a sorte de o meteoro cair antes.

3.
Com tudo quanto é muro pichado e tudo quanto é show começando com “fora, Temer”, ele não se fez de rogado e obedeceu.

Foi pra fora, pra China, pra Índia, pro Japão.

Acusá-lo-ão de qualquer coisa, menos de não ouvir a voz do povo.