• contato@eduardoaffonso.com.br

Desvoto

Desvoto

 

PEQUENAS REFLEXÕES MATINAIS ANTES DE IR ANULAR O VOTO

1.
O TSE informa que não é permitido caçar pokémon na cabine eleitoral.

É sério.

Não é permitido fazer selfie, usar filmadora nem caçar pokémon.

Para votar, não tem que ter mais de 16 anos?
Alguém acima dessa idade caça pokémon?

Bom, se tem adulto infantil o suficiente pra votar no Freixo, tudo é possível.

2.
O grande vencedor dessas eleições foi o PSDB, que deve governar entre 40 e 50 milhões de brasileiros a partir de agora (dependendo dos resultados do segundo turno).

O vice campeão, o PMDB.

O maior derrotado, o PT, que tinha 14 prefeitos no grupo das grandes cidades, e agora só em 1. No Acre.

Como é que fica mesmo a narrativa do golpe?

3.
Conheci o Crivella pessoalmente.
Me deu um abraço, apertou minha mão.

E ele não só estava em campanha (para o governo do estado, na ocasião) como eu estava lá para ajudá-lo.

As escolas de samba do grupo de acesso (antigo “segundo grupo”) reivindicavam uma “Cidade do Samba” para elas, a exemplo da que existe para as escolas de elite (o “grupo especial”).

Me pediram, e eu fiz o projeto, num terreno que o Gilberto Gil, então Ministro da Cultura, havia conseguido, e que pertencia à finada Rede Ferroviária.

Lula (que apoiava Crivella) se comprometeu a fazer a cessão, e lá fui eu a uma reunião do bispo com os bicheiros, mostrar o projeto (que, por sinal, nunca foi pago).

Só mesmo no alistamento militar, em que tive que ficar meia hora em pé e pelado num galpão, com outras centenas de infelizes recrutas, rezando (eu ainda não era ateu) para ser dispensado, é que senti tanto constrangimento e vergonha alheia de mim mesmo.

Vendi meu peixe, fiquei de mandar meus dados e uma cópia do projeto para o comitê de campanha (nunca o fiz) e vazei, com a sensação de estar vendendo também a alma ao diabo.

O Crivella perdeu (para o Sérgio Cabral) e meu projeto foi esquecido.
Melhor assim.

Vai que eu passo à posteridade como “o arquiteto do bispo”.

4.
O voto nulo tinha que ter outro nome.

Nulo é o que não existe, não tem utilidade, é inútil, vão.

Meu voto nulo serve para mostrar que não apoio nenhum dos candidatos.
Que nenhum dos dois me representa ou chega perto de corresponder ao que eu espero de um político.

E não é que eu esteja me abstendo (deixando de votar) ou votando em branco (tanto faz um quanto o outro).
Não.
Eu não voto é em nenhum deles.
Não quero nem um nem outro.
Quero que os dois percam.

Podiam chamar de “não-voto”.
Voto paradoxal.
Desvoto.
Voto negativo.
De protesto.
De repúdio.

Nulo é que não é.

admin

Deixe sua mensagem