À la carte tupiniquim

 

– Garçom, me veja o cardápio, por favor.

– Nós não trabalhamos mais com cardápio, senhor.

– Vocês usam uma tabuleta, você me fala os pratos?

– Não, senhor, trabalhamos agora com lista fechada.

– Como assim, “lista fechada”?

– O senhor escolhe o restaurante (no caso, escolheu o nosso), e o nosso gerente escolhe o que o senhor vai comer.

– E o que é que eu ganho com isso?

– O senhor não precisa perder tempo escolhendo.

– Mas como vou saber o que vou comer?

– O senhor come o que o gerente achar que o senhor deve comer.

– Mas baseado em quê, se ele não sabe do que eu gosto?

– Baseado nos critérios dele.

– Que são…

– Ele pode querer que sejam os pratos mais caros. Ou os que usam ingredientes que estão com prazo de validade perto de vencer. Ou os que já estão prontos. Ou os que dão menos trabalho. Isso não cabe ao senhor decidir.

– Então eu me sento e…

– Senta, come o que o gerente quiser, e paga a conta.

– E se eu não gostar do prato?

– Nós não trabalhamos com essa possibilidade, senhor. Gostando ou não, vai pagar a conta do mesmo jeito.

– Bem, acho que vou então para outro restaurante…

– Todos agora trabalham assim, senhor.

– Mas quem decidiu isso?

– O Sindicato dos Donos dos Restaurantes.

– Pois então eu não vou mais comer fora. Vou comer em casa.

– Não tem problema, senhor. Posso trazer a conta?

– Que conta? Não vou comer nada…

– A do Fundo Suprapartidário dos Restaurantes. Comendo aqui ou em casa, o senhor tem que financiar os restaurantes.

– Por que é que eu tenho que financiar vocês?

– Porque se não financiar por bem, nós vamos conseguir o financiamento de outra forma, que é assaltando o senhor – um método também conhecido como Caixa Registradora Dois. O senhor pagar diretamente é muito mais civilizado, não acha?

– E quem me garante que eu pagando vocês não vão me assaltar do mesmo jeito?

– Ninguém, senhor. Ah, não aceitamos cartão. E os 10% são obrigatórios.

2 Comentários


    1. Obrigado, Mauro! Também sou de Minas, mas acho que Eduai não soaria tão bem assim. Não sei como o texto foi parar lá, mas é bom que esteja circulando (normalmente sem a autoria…) e ajudando a pensar no que nos espera, se esse item da reforma eleitoral passar. A propósito, te respondo ouvindo “Encantado”. Abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *