• contato@eduardoaffonso.com.br

Arquivos por mêsfevereiro 2017

Cantada

 

– Oi, tudo bem?

(Ela olha com cara de nojo, que é a cara que as mulheres bonitas – ou não muito feias – fazem quando um estranho puxa papo no Carnaval).

– Faz tempo que estou te observando e…

(Ela muda o nojo para apenas náusea, depois de verificar que ele não usa aliança no dedo, está de posse de todos os dentes, o tênis é de marca e a Lacoste vermelha é legítima).

– Queria te dizer uma coisa.

– Só espero que não seja uma cantada, porque o fato de eu estar pulando carnaval sozinha não quer dizer que eu esteja disponível.

– Não, não é cantada.

(A náusea dá lugar à decepção. Mulheres, principalmente as bonitas – ou não muito exageradamente feias – adoram recusar cantadas.)

– Isso que você está usando é uma fantasia de havaiana, não é?

(Ela faz cara de “dã?”, tipo Susana Vieira quando quer expressar algum sentimento profundo numa novela, já que não há muita dúvida de que aquele pano florido amarrado na cintura seja um sarongue e os colares de florinhas de plástico que pendem do pescoço sobre a faixa amarrada sobre os peitos, à guisa de bustiê, sejam colares havaianos. Made in China, comprados no Saara, mas havaianos).

– Sim, por que?

– Esse sarongue e esses colares me ofendem. Você está se apropriando da cultura do Havaí, e isso eu não posso admitir.

– Você o quê?

– Não admito essa usurpação. Você não tem esse direito.

– Tu é maluco?

(A cara agora é a da Susana Vieira quando lhe perguntam a idade).

– Não. Sou um justiceiro social. Esse seu peitão é silicone, não é?

(A cara muda para a da Susana Vieira quando descobre que o namorado 52 anos mais novo está aos beijos no camarote com uma menina que podia ser sua bisneta).

– Peitões de silicone, assim como a purpurina e garrafas pet, poluem os oceanos, e podem levar à extinção dos golfinhos, das baleias, do plâncton, do krill e dos programas do Discovery Chanel.

(Ela começa a ter certeza de que teria sido melhor se fosse uma cantada)

– Quando cheguei, você cantava uma marchinha que fala que branca é branca, preta é preta, mas a mulata é a tal. Você sabia que o racismo é crime? Que a branca é uma opressora, a preta é uma oprimida, e a mulata é…

– Olhaqui, dá licença…

– Eu exijo que você tire agora esse sarongue e esses colares que não te pertencem, e remova imediatamente essas próteses de silicone que são uma mutilação auto infligida para torná-la um objeto sexual do patriarcado….

(A moça do sarongue já se desvencilhou, mais assustada que a Susana Vieira diante do espelho, de manhã, e se perdeu na multidão. Ele se aproxima de uma nega maluca, de minissaia e bunda arrebitada).

– Você sabia que esse black face me ofende? Que essa sua peruca crespa é uma afronta e esse enchimento exagerado nas nádegas reforça os estereótipos de…

(A nega maluca, que é preta mesmo, e não usa peruca, lhe mete a mão na cara.

O sujeito voa longe.
Junta gente.)

– Tentou abusar de você, foi?

– Não. Só mais um viado do PT, enchendo o saco.

Retratos da folia 2

 

Folia 06

Cordão da Bola Preta
25 de fevereiro de 2017

Ladainha

 

Fora Temer, quem mais os petistas odeiam?

Todo mundo que participa do seu governo (ilegítimo, inconstitucional, fisiológico, entreguista, feio, bobo, golpista etc).

Compactuo do horror que os petistas têm ao Temer, ao seu governo, aos seus ministros.
Com a ressalva de que eu não votei no Temer.
Eles, sim.

O Temer me caiu de paraquedas, me foi enfiado goela abaixo.
Os petistas, ao contrário, escolheram-no.
E não uma vez só, mas duas.

Aceito o Temer como quem aceita uma injeção de Benzetacil.
Não quero, não gosto, é horrível – mas ou é isso ou a infecção generalizada.
Respiro fundo, prendo o choro, xingo a mãe do moço da farmácia e toco o barco.

Como os petistas, não suporto olhar para a cara do Edison Lobão, nobre presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.
Mas, ao contrário dos petistas, eu também não o suportava quando ele era Ministro de Minas e Energia de Lula e de Dilma.

Compartilho com os petistas uma profunda antipatia pelo Presidente do Senado, Eunício Oliveira.
Só que eles o achavam simpaticíssimo quando era Ministro das Comunicações de Lula.

Eliseu Padilha, braço direito do golpista, quem consegue confiar nesse sujeito?
Os petistas, certamente – pelo menos enquanto foi Ministro da Aviação Civil da finada Presidenta.

Como não me solidarizar com os petistas no asco pelo Geddel Viera Lima, o do apartamento com vista pro mar em Salvador?
Mas o asco deles é recente, só desabrochou depois que ele deixou de ser Ministro da Integração Nacional do viúvo de D. Marisa.

Ah, Romero Jucá, o surubático Romero Jucá…
Impossível não ser tomado de ojeriza ao vê-lo, ouvi-lo, imaginá-lo.
Exceto os petistas, que surubaram com ele sem pudor algum enquanto era Ministro da Previdência Social do Lula.

E Silas Rondeau, encalacrado na Lava Jato, indiciado por tráfico de influência?
Abominável, diriam os petistas – e eu concordo.
Mas os petistas só acham isso depois que ele deixou de ser Ministro de Minas e Energia.
De quem?
Ganha um sítio em Atibaia quem adivinhar.

E tem ainda Moreira Franco, estrategicamente nomeado pelo nefasto Temer apenas para adquirir foro privilegiado.
Se bem me lembro, ele teve o mesmo foro como Ministro de Assuntos Estratégicos de Dilma, e ninguém falou nada.

Eu não gosto do Temer, mas desde sempre.
Os petistas, esses só começaram a desgostar quando ele se cansou de ser um vice decorativo e resolveu partir para novos desafios.

Por isso entendo quando entram transe (e em loop) com seu mantra “Fora, Temer”.

É que levaram cinco anos para saber que ele existia (e que existiam Moreira Franco, Jucá, Eunício, Rondeau, Padilha, Geddel), e só aí começar a ladainha.

Sabe como é, ficha de petista demora um pouco a cair.

Gumercindo

 

– Que tal Sofia?

– Nem pensar. As filhas da Bruna, da Camila, da Marcela e de outras trinta e duas amigas se chamam Sofia.

– Manuela, então…

– Tá louco? Vai ter vinte xarás na creche! Só aqui no condomínio tem vinte e duas Manuelas com menos de cinco anos. Isso que são 20 apartamentos.

– Maria Eduarda, quem sabe?

– Maria Eduarda deixou de ser tendência há anos, Filipe! Você vai querer que nossa filha tenha nome de velha, e sofra bullying na escola? Maria Eduarda é coisa dos anos 2000, e já estamos em 2017!

– Então escolhe você.

– Minha primeira escolha era Alice, mas já fui ao aniversário de dezenove Alices este ano. Gosto de Laura, mas contei 117 fotos de Lauras no instagram das minhas amigas.

– Por que não botamos um nome simples, tipo…

– Nome simples, Filipe? Na nossa filha?? Um nome é tudo. Ela não pode chegar num lugar e dizer “Eu sou Fulana” e a pessoa perguntar “Qual Fulana?”. Um nome é uma grife, um cartão de visitas, um atestado de denominação de origem controlada.

– Inventa um nome.

– Nome inventado é coisa de pobre. Rico tem que ter estilo, atitude, pegada. Um quê de tradição, mas com ousadia, entende?

– Bom, a gente nem sabe ainda se é menina… Vai que nasce um Artur…

– Artur? Tem mais Artur no Rio de Janeiro que Mohamed na Arábia Saudita! Se a professora chamar Artur na aula, levanta a sala inteira.

– Então Miguel, Gabriel, Rafael…

– Filipe, tem hora que eu fico pensando como fui querer ter filho com você. Metade do Rio de Janeiro se chama Miguel, Gabriel e Rafael. Nome de anjo e de santo já não se usa mais nem na Tijuca!

– Mas eu sou da Tijuca!

– Como se eu não soubesse…

– Ok, então vamos de Eustáquio. Boanerges. Gumercindo. Casemiro. Epifânia. Clotilde. Hermengarda. Orestes. Leôncio. Benvinda.

– Agora, sim, tá ficando mais fashion. Mais vanguarda. Não vejo a hora de perguntarem o nome do bebê e ficarem horrorizados de inveja.

– Adamastor. Benevides. Simplício. Otacília. Hermelinda. Edwiges. Abigail. Guiomar.

– Guiomar! Gostei. Vê aí no gúgol quantas Guiomares nasceram este ano na São José, na São Vicente e na Perinatal.

– Nenhuma nos últimos 35 anos.

– Ótimo. E Gumercindo?

– O último foi em 1927.

– Perfeito. Se for menino, Gumercindo. Se for menina, Guiomar.

– E quando vierem os irmãozinhos, quem sabe Genoveva, Altamiro…

– Se toca, Filipe. Ano que vem, pode ser tendência colocar nomes de lugares, como fazem os americanos, que batizam os filhos de Dakota, Chelsea, Minnesotta. Já pensou, a gente levando Guiomar e Amapá, ou Gumercindo e Chapecó pra creche?

– Amapá e Chapecó serão menino ou menina?

– Desisto de você, Filipe. Ideologia de gênero pra cima de mim nessa altura do campeonato?

Rio second

 

Rio Second

Dear Mr. President,

We totally agree it’s America first.
Totally agree.
But Rio de Janeiro has to be second.
Rio second.

People mistake Rio with State of Rio.
Wrong!
Rio is part of State of Rio, but not State of Rio.
State of Rio is different thing.
Totally different.

Rio de Janeiro has Sugar Loaf, Copacabana Beach, girl from Ipanema.
Beautiful.
It also had Maracanã stadium, Boate Help and Sérgio Cabral.
No more.
So sad.

State of Rio has Maricá, Cachoeiras de Macacu, Little Kid and Little Rose Little Kid.
Total disaster.

You say America is great.
That’s real.
Not as great as Flamengo, Fluminense, Botafogo and Vasco, but America is great.
And will be great again, when all the others are extinct.
That’s true.

Our mayor is Shepard Marcelo Crivella, a millionaire like you.
Not so orange, but he is very white.
You will like him.
He is the heir of the Universal Church of the Reign of God.
He nominated his son, Marcelo Hodge, for Secretary.
He is Hodge, not huge.

Rio is like America, full of immigrants.
Not only paraíbas from Piauí and Ceará, but also from Madureira, Olaria and Bangu.
Losers.

Madureira is our México.
Check it out.
Rio has nothing to do with it and its Mercadão.
Never had.

All our mayors plan to build a wall, not on the Madureiran border, but in Rocinha.
Great wall.
Huge.
But drug dealers refuse to pay for the wall.
It’s a disgrace.
Total disgrace.
And it would make it difficult for little maurícios from São Conrado and Zona Sul to buy marijuana.
Everyone says so.

Rio is exciting.
We have shootings on our streets every day .
You will love it.

Also have a Statue of Liberty in Barra da Tijuca.
You would hate it as much as we do.
That’s true.

In February we have Carnaval.
Insane.
Over-rated.
Lots of people pissing in the streets.
Huge blocks, like Cordão of the Bola Preta and Block of the Preta.
Not many whites there.
Zero.
But they are huge.
More people than in your inauguration.
Most of them drunk and trying to grab bitches by the pussy.
Exactly the way you do.
So carioca, so fun.
You will love it.

And we have the mulatas, with large butts.
Extra large.
The largest in the world.
But don’t mention the word “mulata”.
It’s forbidden now.
If you say “mulata” you are fired.

We have a Christ on top of a hill.
It’s huge.
The very best Christ on top of a hill in the world.
The very best.
It’s spectacular.
Believe me.

We have 4 subway lines which are a single line.
That’s amazing.
And you have to leave the train, go uspstairs, walk a lot, go downstair to take the next train in the same line.
Not so good.

We also have the most corrupt government in our history.
One governor is in prison.
His wife is in prison.
His friend and the greatest millionaire in this country is in prison.
And the new governor, Mr. Big Foot, is to be in prison soon.
That’s true.
All due to judge Marcelo Bretas.
Good man.
Tough guy.
He will make Rio safe again.
Fantastic.

Newspapers say there’s a zica epidemy.
Wrong.
Fake news.
We had factoides long before you created the alternative facts.

But Rio is great.
Believe me.
Huge problems.
Really huge.
But also the most violent police, the most corrupt politicians, the most dangerous drug dealers and the most expensive coconuts in the world.

America first, Rio second and you get 10% of commission.
Promised.

Freud e O Senhor na Cidade Maravilhosa

 

Marcelão nomeou o filho Marcelinho para a Casa Civil, para ser uma espécie de seu Primeiro Secretário.
Pôs a coroa na cabeça do herdeiro antes que outro aventureiro a quisesse – tudo dentro da nossa melhor tradição republicana.

É a dinastia Crivella / Macedo demarcando território na disputa com a antiga dinastia reinante, a dos Garotinho – cuja herdeira, a menina Clarice, também faz parte do secretariado do pastor.

São ambos pastores – Garotinho e Crivella – talvez unidos para juntos melhor garantir a posse da Capitania Hereditária Neopentecostal do Rio de Janeiro.

Marcelão alega que o filho Marcelinho é preparado, competente, e estaria sendo indicado por seus méritos, por sua aptidão técnica, não por seus genes.
Aham.

Ocorre que Marcelinho não é formado em Administração ou Economia, não tem MBA em Gestão ou algo assim.
O moço graduou-se nos Estados Unidos, na renomada Universidade de Biola (!!) em… Psicologia Cristã.

Sim.
Não numa reles Psicologia sem adjetivo, dessas que qualquer UFRJ, USP, PUC ou Unicamp oferecem.
Foi em Psicologia Cristã.

Não dá pra saber, pela internet, a grade curricular, mas é de se supor que, em vez de Freud, Jung, Melanie Klein ou Lacan, se estude o pensamento de Isaías, Jeremias, Miquéias e Oséias.

As teorias cognitivas de Habacuc e Malaquias.

A psicologia infantil segundo Isaac, que quase foi sacrificado por seu pai, Abraão (aquele que ouvia vozes que o mandavam matar o filho em sinal de devoção).

Evolucionismo by Noé.

A fixação anal nos nascidos em Sodoma.

Terapia comportamental, com ênfase nas técnicas de reprodução assexuada de peixes, panificação sem trigo, flutuação e deslocamento sobre as águas, combustão espontânea de sarças, derrubada de muralhas no grito e apedrejamento de adúlteras,

O curso, infelizmente, ainda não é reconhecido no Brasil.
Assim como não o são os de Medicina Xamânica, Odontologia Umbandista, Direito Zen ou Engenharia Espírita.
O diploma, talvez por isso, não foi validado por nenhuma universidade brasileira.

Mas o moço é bom.
É competente.
E, como a fé remove montanhas, pode até exorcizar a suspeita de que sua nomeação seja mais um vergonhoso caso de nepotismo.

Pena mesmo é que eles estejam no Rio, não num estado vizinho.
Seria a glória para o tio Edir Macedo ver pai e filho governando o Espírito Santo.

Gigantes da Lira

Gigantes 01

 

Laranjeiras
19 de fevereiro de 2017

 

Coisinha

 

Fui ontem a dois blocos de Carnaval, o Gigantes da Lira e o Escravos da Mauá.

Nos dois, as bandinhas tocaram as marchinhas proibidonas: “O teu cabelo não nega”, “Maria Sapatão”, “Índio quer apito”, “Olha a cabeleira do Zezé”.

Por incrível que pareça, não houve nenhum linchamento racial, nenhum ataque homofóbico.  
E olha que havia negros a dar com o pau (sem duplo sentido) e casais homossexuais se beijando na boa – e na boca.

As pessoas simplesmente continuaram cantando e pulando, como se fosse um domingo de pré-Carnaval e essas e todas as outras marchinhas fizessem parte da festa, da memória áudio-afetiva.

Um folião que passava ao meu lado, e me ouviu comentando a respeito, se permitiu um aparte.
“O teu cabelo não nega” seria racista, sim – mesmo sabendo-se agora que “a cor não pega” significava, à época, “a cor não importa”.
Ou seja, é racista mesmo sem o ser – assim como “Maria Sapatão” é homofóbica apesar de dizer “O sapatão está na moda / O mundo aplaudiu / É um barato, é um sucesso / Dentro e fora do Brasil”.

O politicamente correto virou dogma, não admite argumentação.

É uma espécie de “fora, Temer”, que me cansei de ouvir nos dois blocos, ou “é sim porque sim”, que nos cansamos de ouvir de nossos pais.

Se não podemos com eles, unamo-nos a eles.

Banidos Lamartine Babo e João Roberto Kelly, bora banir os outros preconceituosos da nossa MPB. Começando por Vinícius de Moraes.

O poetinha era, como podemos deduzir de suas canções, um misógino. Desprezava as mulheres.

Quer uma prova?

Em “Minha namorada”, ele diz:
“Se quiser ser somente minha
Exatamente essa coisinha
Essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser”

Sim, ele chama a mulher de COISA, e de COISA TODA MINHA. Humilha mais ainda: “essa COISINHA”.

E reincide, agora com o comparsa Tom Jobim:
“Olha que COISA mais linda, mais cheia de graça”.

Como é que pudemos cantar isso anos a fio sem nos dar conta que esses versos são um estímulo ao estupro, tratando a mulher como ‘COISA”?

A coisificação da mulher é inadmissível nestes novos tempos de empoderamento. Fora, Vinícius. Fora, Tom.

Vamos banir Caetano, que escreveu “COISA mais bonita é você”.
Vamos banir Roberto Carlos: “Sua ESTUPIDEZ não lhe deixa ver que eu te amo”.
Vamos banir Dorival Caymmi: “Não pinte esse rosto que eu gosto, que eu gosto e que É SÓ MEU”.
Vamos banir Chico Buarque: “Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas / Elas não têm gosto ou vontade / Nem defeito, nem qualidade /Têm medo apenas”.
Vamos banir Milton Nascimento: “Sempre no coração / Haja o que houver / A fome de um dia poder / Morder a carne dessa mulher”.
Vamos banir Seu Jorge: “A carne mais barata do mercado / É a carne negra”.

Não, não adianta dizer que é preciso ver o contexto, a intenção, o significante e o significado, a metáfora, o escambau.

O que vale para as marchinhas tem que valer para todo o resto.

Ou aqui também é como na política, em que a lei vale para uns, não para todos?

Retratos da folia

 

Retratos 08

 

Largo de São Francisco da Prainha
19 de fevereiro de 2017

 

Escravos da Mauá

 

Escravos 03

 

Largo de São Francisco da Prainha
19 de fevereiro de 2017