• contato@eduardoaffonso.com.br

Arquivos por dia13 13UTC março 13UTC 2016

Seis por meia dúzia

 

1.
“Não vou à manifestação de hoje porque quero distância do Bolsonaro e do Malafaia”.

Então não ouça Bach, porque ele escreveu música sacra, e você também deve querer distância dos padres pedófilos, certo?

Nem leia Umberto Eco, Dante, Calvino, Montale, porque eles nasceram na Itália, e lá também nasceu o fascismo.

2.
A Globo estreia novela das nove amanhã. Como de praxe, terá duas fases.

Na primeira, nos anos 60, o mocinho é um rapaz de belos olhos e voz de taquara rachada, que luta por um amor impossível com a democracia, a liberdade, os direitos humanos, os fracos e oprimidos. Mas o destino cruel não permite que esse amor seja consumado.

Quarenta anos depois, a trama o encontra nos braços de uma cleptocracia decrépita, manipuladora, que, de muito gorda, já não anda, e que ele confunde com seu amor de juventude.

A novela leva o título poético e melancólico de “O Velho Chico”.

3.
Cansado do Petrolão? Não se desespere. Delação do Delcídio traz de volta aos holofotes (finalmente!) a ex-ministra Erenice Guerra, fiel escudeira da Presidenta. E, com ela, o Belomontão.

Tudo bem que foram só 45 milhões desviados – uma gota d’água se comparados ao oceano drenado da Petrobras. Mas essa gota irrigou justamente a campanha de 2014.

Se Dilma escapar do espeto do impeachment, cai na brasa do TRE.

4.
“Não vou à manifestação porque se Dilma cair, quem assume é o Temer, que é trocar seis por meia dúzia”

Perfeito. Se cadeia não regenera ninguém e a pessoa presa vai sair igual entrou (ou pior…), pra que processo, julgamento, prisão? Melhor abolir o Poder Judiciário, e deixar os bandidos soltos, que dá na mesma.

5.
Se a DataFolha afirmar que não foi ninguém à manifestação de daqui a pouco em Copacabana, desconfie. Porque eu tenho certeza de que estarei lá. Fui!