• contato@eduardoaffonso.com.br

Arquivos por dia27 27UTC fevereiro 27UTC 2016

Notícias do front

 

1.
O castelo de cartas montado pelo Sérgio Moro começa a desmoronar, com a constatação de que “Feira” não era o Santana, mas a mulher dele, a sorridente Monica Moura. Ela é que era a “Feira” do Santana, captou?

Com essa prova cabal de incompetência, o zeloso Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo deve vir com a faca nos dentes e sangue nos olhos para extinguir a Lava Jato e botar toda a PF para investigar o que realmente importa para a erradicação da corrupção no Brasil, que são os 3 mil acarajés que FHC mandava para a ex-amante no exterior.

2.
A secretária da Odebrecht, d. Maria Lúcia Tavares, jurou diante do Sérgio Moro que o “acarajé” de que falam os executivos da empresa são acarajés mesmo, não pixulecos.

“Você consegue me fazer chegar mais 50 acarajés na quarta-feira à tarde, por volta das 15 h, no escritório da OOG, no Rio? Estou no México, mas chego de volta na quarta. Grato e abraço” (Roberto Ramos, executivo ligado à Odebrechet, ao Hilberto Mascarenhas, diretor da empreiteira)

O cara tá no México, só chega na quarta, mas encomenda – ao diretor de uma grande empreiteira! – 50 bolinhos de feijão fradinho descascado, moído, temperado com sal e cebola ralada, tudo muito bem batido, frito no azeite de dendê, recheado com vatapá e servido com pimenta-malagueta, camarão seco e vinagrete.

Ramos ainda pergunta se no Rio tem alguma “bahiana” (sic) de confiança. Mascarenhas responde que pode entregar os bolinhos onde o solicitante quiser, “entre Rio e São Paulo”. É só avisar com 48 horas de antecedência.

Sérgio Moro, que põe maldade em tudo, deve ter achado que:
a. Ninguém come 50 acarajés sozinho. Logo, não era para consumo próprio, só podia ser tráfico.
b. Acarajé só é bom se for frito na hora. Fritar 50 acarajés às três da tarde, no escritório, ia empestear o sistema de ar condicionado e deixar até as cópias xerox cheirando a dendê por uns seis meses.
c. O sujeito não especifica se quer com ou sem camarão, quente ou frio, pra comer na mão ou picado no prato.
d. Azeite de dendê não leva 48 horas para esquentar.

3.
Os caras têm norráu para desviar centenas de milhões e não conseguem arrumar um eufemismo decente pra propina??

Será que quando o Aécio for eleito veremos empreiteiros falando em remessa de pãozim de queijo para a Suíça, entrega de leitãozim à pururuca em cédulas usadas e de numeração não sequencial, ou que o franguim com quiabo tem que estar disponível em envelope lacrado no hotel, até as 19 horas?

4.
João Dória, candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, teria pago a militantes para apoiar sua candidatura.

Sai o pão com mortandela, entra a ciabata com prosciutto di Parma.

Podem chamar de gurmetização da política, mas não deixa de ser um apigreide e tanto.